quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Ode aos Ipês Amarelos


Sempre sonhei em ver neve. No entanto, minha viagem mais longa é mesmo para minha querida Sapé, por isso tenho que me contentar com fotos e vídeos.
Fico imaginado qual a sensação de deitar na neve, dizem que ela queima. Como queima se neve é gelada?
 Questionamentos que farei ao amigo Betomenezes que entende dessas coisas.
Eu entendo mesmo é de sonhar. Continuo sonhando em ver neve.
Ontem, acho que realizei meu sonho. Vi neve amarela a colorir os olhos dos sapos da Lagoa.
Deitei-me sobre a neve que jorrava dos Ipês e voei até o fundo de meu desejo. A neve amarela não queima e tem um perfume divino.

Acordei com um poema nas mãos.

5 comentários:

  1. Vou mandar para teu e-mail.
    Deixo meus poemas inéditos até publicá-los em livro. Foi assim com o Escritos no Ônibus. Mas pedido de leitor do blog é uma ordem. abraço

    ResponderExcluir
  2. Depois você diz que não é bom em prosa.

    ResponderExcluir