segunda-feira, 9 de abril de 2012

Jose Inácio Vieira de Melo no Ônibus



Foto: Ricardo Prado


AVE


Uma prece desponta na poeira:
neste defumador, bruma das almas,
nessa cruz da paixão. É sexta-feira –
falam no vinho em consoante flama.

Num cântico, tanger toda essa gente,
adentrar as cancelas dos currais,
e a prece, assimilada na tangente,
erguendo templos, constrói capitais.

O chocalho dos deuses chama a ave:
hora das trancas, bulício de chaves,
e o menino deseja o leite santo.

Reconhece-se nessa procissão
denso crivar da fome em profusão:
longa é a fila aos peitos dessa santa.

Do livro Terceira Romaria

4 comentários:

  1. Que haja sempre desse leite deleite...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sempre, docerachel.
      obrigado por viajar conosco.

      Excluir
  2. Belo soneto! Senti saudade de "A terceira romaria", vou voltar a visitá-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estou descobrindo a poesia de JIVM, cara Mazé.
      trata-se de um grande poeta.
      abraço e esperamos vc em outras viagens

      Excluir